Mas antes… passar um tempo com a família – #01

Decidimos passar um tempo com a família antes da cicloviagem

Nossa cicloviagem está programada para iniciar em Junho, mas decidimos já entregar a casa que alugávamos em Florianópolis para ficarmos esse tempo, até a viagem, com nossa família, em Uberlândia e Uberaba, Minas Gerais.

Já estamos acostumados com mudanças, pois desde que casamos nos mudamos várias vezes de casa e de cidades. Mas essa foi atípica. Primeiro, porque ficamos 2 anos na mesma casa, o maior tempo que já ficamos até hoje. Isso porque realmente conseguimos nos sentir em casa, literalmente. Nas cidades em que havíamos passado, sempre tínhamos o pensamento de que era uma situação temporária.

Em Florianópolis, a coisa mudou de figura. Essa cidade realmente é a Ilha da Magia. A cidade nos acolheu muito bem, fizemos amizades para a vida toda e sua natureza exuberante entre cores e paisagens é de impressionar. A casa em que morávamos era perto da praia, tinha um imenso jardim com um ipê rosa bem no meio do terreno, que abrigava várias espécies de aves. As que mais nos encantavam eram as gralhas azuis e os canários. Cada um, em sua época. É realmente lindo de vê-los e de ouvir seus cantos ao amanhecer.

Tínhamos também flores e uma pitangueira que dava frutos quase o ano todo. Fazíamos nossas refeições com uma paisagem magnífica, com uma imponente montanha a nossa frente. Dava a impressão que estávamos sendo protegidos por ela e pela vida que se manifestava por lá. Nossos cachorros ficaram mais calmos nessa casa, acho que também sentiram a magia da Ilha. A Maya se deleitava com o jardim, corria, tomava seu banho de sol e curtia bem o seu espaço. Já o Ozzie, gostava mais de observar a Maya e ficava mais na sua mesmo.

 

Arrumando a mudança

Quando fomos iniciar a mudança efetivamente, ficamos inquietos e com um aperto no peito. Porque essa mudança era diferente das outras, porque estávamos satisfeitos e não iríamos sair se não fosse por um bom motivo. E o motivo agora era diferente e muito forte. Seria pela concretização de nosso sonho, em conhecer mais o que esse mundão tem pra oferecer. Seria já o início de nossa viagem, mesmo não sendo com as bicicletas ainda. Encerrado o aluguel, já não temos mais uma casa para voltar.

Foi diferente também porque foi tudo muito corrido, com uma certa dose de ansiedade, com muita coisa pra resolver e rápido. Anunciamos a venda de nossos móveis e utensílios e tudo foi vendido em dois dias, na sexta-feira e no sábado. No domingo, já estávamos no ônibus de partida. Apesar de ter vendido rápido, ainda tinham sobrado muitas coisas miúdas que não vendemos. É engraçado… por mais que tentemos ter uma vida mais simples, como temos feito nos últimos anos, ainda assim acabamos acumulamos muitas coisas. É claro que, comparado com antes, acumulamos menos. Mas, com a perspectiva da viagem, em que passaremos um ano com pouquíssima bagagem, é estranho ver quanta coisa tínhamos em casa, muitas delas inúteis.

Foi uma correria para desfazer daquilo que não tínhamos colocado à venda. Como não podíamos levar muita coisa devido ao espaço no ônibus, doamos o restante. Foi bem difícil separar o que iríamos manter e o que iríamos nos desfazer. A maioria dos objetos, doamos e um outro tanto, jogamos fora. Ainda assim, carregamos 10 volumes no ônibus, entre caixas, mochilas e bicicletas. Tudo muito pesado.

Somos gratos a nossos vizinhos Edison, Otiane e Lorena, família linda, pessoas muito legais e que nos ajudaram muito nos últimos dias. Não conseguiríamos terminar tudo a tempo de pegar o ônibus sem eles. Além disso, foi o Edison que nos levou até a rodoviária. Nos presentearam com dois livros com dedicatórias emocionantes. Ficamos lisonjeados com a amizade deles.

 

Até breve, Floripa! Olá, Uberlândia!

Chegamos na rodoviária só a tempo de emitir as passagens (já que compramos pela internet) e levar todas as nossas coisas para o ônibus. Entrega as bagagens, passagens, documentação dos cachorrinhos e… entramos no ônibus! Ufa! Deu tempo! A viagem durou 26 horas, mas no final deu tudo certo. Só não conseguimos aproveitar muito a paisagem, porque estávamos ainda tensos com a correria que foi a mudança e preocupados em cuidar do Ozzie e da Maya, que viajaram juntinhos da gente, mas dentro de caixas de transporte.

Agora, estamos em Uberlândia, na casa dos pais da Eveline. Curtir esse tempo com nossos familiares, aproveitando o bom cafezinho com pão de queijo, conversas na cozinha e poder conviver assim com eles novamente, não tem preço. Vamos permanecer por aqui algumas semanas. Depois, vamos para Uberaba, também ficar junto da nossa família por lá. Ao mesmo tempo, estamos arrumando as coisas da viagem, arrumando as bicicletas e vibrando para que nossa viagem aconteça com tranquilidade, essencial para aproveitarmos a paisagem e o caminho! E assim vamos pela vida afora!

Veja um vídeo que mostra a situação da nossa casa faltando menos de 24 horas para entregarmos a casa e pegarmos o ônibus:

Facebooktwittergoogle_plusmail
  • Fabiana B. Fontoura-Ellison

    Que refrescante ler essas estorias….muito obrigada.
    Esperamos um novo capitulo que se iniciara em breve….:-)
    Muita boa sorte com tudo,

    Beijos, Fabi

    • Pela Vida Afora

      Que bom que gostou, Fabi!!! Significa muito para nós! Também estamos ansiosos! 🙂 Muito obrigado!!! Beijos!