Pomerode e a Festa Pomerana – #05

Pomerode

Pela Vida Afora - Pomerode - Ariana
Ariana e seu filho Kayo

Nossos dias em Pomerode, no Hostel Dina, foram muito agradáveis. A Dina, proprietária do hostel nos recebeu com muita dedicação e sempre muito tranquila e gentil conosco. Conversamos bastante com a Dina e com a Ariana, um amor de pessoa e ótima culinarista. Ela fazia cada comida deliciosa que não dava para não repetir.

Pela Vida Afora - Pomerode - Hostel Dina
Dina, proprietária do Hostel Dina

Em uma de nossas conversas no café da manhã, Dina nos disse que em breve haveria a Festa Pomerana, festa típica alemã que acontece anualmente na cidade. Ficamos bastante animados com a ideia de conhecer a festa, seria bacana de presenciar. Decidimos então, fazer um pouco do Circuito do Vale Europeu e depois retornarmos a tempo para a festa.

Pela Vida Afora - Pomerode - Portal Sul - Traje típico Fritz e Frida
Nós de Fritz e Frida (traje típico) no Portal Sul de Pomerode

Recuperados da insolação (se não sabe do que estamos falando, veja os 3 erros do cicloturista de primeira viagem). Fomos finalmente conhecer um pouco da cidade. Ficamos encantados por ela!! As ruas são uma gracinha, todas com florezinhas coloridas enfeitando as calçadas e as casas em sua maioria com lindos jardins. A cidade tem cerca de trinta mil habitantes e é considerada a mais alemã do Brasil. Uma coisa que nos deixou surpreendidos foram os nomes das ruas, quase todas com nomes em alemão, impronunciáveis para nós. No portal sul, é possível tirar fotos vestindo o traje típico alemão, que é emprestado no local, gratuitamente.

Pela Vida Afora - Pomerode - Portal Sul - Rota do Enxaimel
Conhecendo a Rota do Enxaimel na companhia do Adriano

Todos os dias passeávamos de bicicleta pela cidade e era sempre um novo encantamento. A cada dia, a cidade ficava mais enfeitada por causa da aproximação da festa pomerana. Em um desses passeios pela cidade, conhecemos o Adriano e ele nos levou para conhecer a famosa Rota do Enxaimel.

Acabou que fomos ficando, fomos ficando…. e acabamos deixando a ideia de fazer um trecho do Circuito do Vale Europeu para trás. A festa pomerana já estava para acontecer e a Dina, gentilmente, nos convidou para ficarmos lá até o dia da festa, por meio de Couchsurfing. Depois, ficamos mais dois dias hospedados na casa da Ariana.

 

Festa Pomerana

Pela Vida Afora - Festa Pomerana - Fritz e Frida
A caminho da Festa Pomerana com os nossos trajes não-tão-típicos.

Chegou o grande dia da festa! A Dina me emprestou o traje dela de Frida e o Daniel conseguiu com o Adriano um traje de Fritz. Frida e Fritz são nomes próprios alemãs, que acabaram sendo usados para se referir de forma genérica à alemã (Frida) e ao alemão (Fritz). Seria quase o equivalente a João e Maria para nós. Na festa, as pessoas que vão com o traje completo, não precisam pagar a entrada.

Antes de entramos no pavilhão onde aconteceu a festa (e onde dormimos no primeiro dia – veja aqui) já ficamos maravilhados com um desfile lindo! Várias pessoas com roupas típicas desfilando pelas ruas. Tinha desfile de banda, de bicicletas típicas, de carro de boi, de trator, grupos de danças típicas e até alguns tipos de carros alegóricos. Tudo muito bonito! Depois do desfile, era hora da festa!

Pela Vida Afora - Festa Pomerana - Desfile
Parte do desfile na Festa Pomerana

Entramos no pavilhão e vimos muitas coisas legais: comidas típicas, várias e várias apresentações de danças típicas, a banda tocando músicas típicas alemãs e o público dançando a coreografia e, o que ficamos mais surpresos: cantando juntos em alemão! As competições típicas eram um caso à parte: a primeira delas era uma competição entre duplas em que ganhava a que serrasse um tronco em um menor tempo. A segunda competição foi a de lenhador. Essa era individual e o competidor usava um machado. Ganha quem conseguir partir o tronco no menor tempo. E a última era a competição de chopp de metro, em que o participante tinha que beber uma certa quantidade de chopp no menor tempo. A festa foi sensacional. Nunca tínhamos visto ainda uma tradição tão presente. Tudo ao melhor estilo alemão. Foi uma experiência incrível, sem palavras para descrever a emoção que tivemos ali.

Enfim, o resultado é que ficamos em Pomerode durante dez dias e saímos de lá apaixonados pela cidade e pelas pessoas que conhecemos, que hoje se tornaram nossas amigas. Pomerode ganhou nosso coração!

Facebooktwittergoogle_plusmail